Raiva, lide com ela sem ter que explodir

Raiva, quem nunca sentiu isso, em algum momento da vida, que atire a primeira pedra.
Mas como lidar com a raiva sem que ela tome conta de você, mesmo que por alguns instantes?

Primeiro é necessário saber que a raiva não é simplesmente um sentimento ruim que pode lhe trazer problemas de saúde quando não trabalhado corretamente. Ela pode ser uma força motriz que te pode te mover na direção correta.

O sentimento de raiva pode ser convertido tanto em força física como em criatividade. Mas, antes de pensar em converter uma energia é necessário que você saiba como identificar se está ou não lidando com a raiva de forma saudável.

Oferta: Controle sua raiva

Você é do tipo de pessoa que vai segurando/guardando um sentimento, vai gradualmente perdendo a paciência até que explode?
Se você faz isso, isso não é equilíbrio, nem esforço para manter o controle. Esse tipo de comportamento (guardar a raiva e explodir) já é sinal de que algo não vai bem.
Quando você guarda o sentimento para depois, quando já não aguenta mais, extravasar, isso já está te trazendo alguma dor que pode resultar desde dores de cabeça e no estômago até crises nervosas.
Esses sintomas são indicativo de que você está gradualmente implodindo.

Se esse for seu caso, fora as enfermidades mencionadas, você pode ser o tipo de pessoa que grita, tem crises, chora e/ou até arremessa coisas na parede quando está com raiva.

Temos então que entender o seguinte. Outras pessoas no seu lugar não reagiriam da mesma maneira. Então não temos apenas o foco na raiva em si. Nesse caso ela é o resultado de todo um processo e não a causa.

Busque a causa da sua raiva

Quando você se dispõe a uma autoavaliação é importante saber como identificar a origem de seus sentimentos e os motivos.

Procure responder com sinceridade as seguintes perguntas:

  • você sente que não tem paciência com uma pessoa específica?
  • você engole o que gostaria de dizer para não jogar coisas na cara da(s) pessoa(s)?
  • sua raiva aparece com frequência quando você é contrariada(o)?
  • quando você quer muito alguma coisa ou que algo aconteça e isso não se concretiza, você logo busca culpado(s)?
  • sua raiva ou irritação com as coisas é uma constante?

As respostas para as perguntas acima podem levar a diversos caminhos diferentes, mas por hora o que podemos dizer é que, respondendo essas perguntas você pode identificar se está com algum problema com alguém ou, basicamente se você não aceita “não” como resposta.

Uma outra coisa é se observar e perceber como você age nessas situações das perguntas. É de maneira coerente e você busca refletir apesar do sentimento de raiva ou você grita, quebra as coisas e sente um ódio da(s) pessoa(s) ou situação?

A origem da raiva pode estar em algo que alguém te fez no passado e você até hoje não perdoou e não aceitou, de maneira que aquela energia volta sempre que encontra um gatilho, qualquer que seja.
Como também pode ser algo relacionado a sua não aceitação de si mesma(o).

Quando somos muito violentos numa situação, mesmo que não seja uma ação contra alguém, mas o ato de gritar, quebrar coisas indica que já estamos num processo de agressão interna muito grande.
Aí gritamos ao outro: Por que você me odeia tanto?

Na verdade estamos gritando para nós mesmos: Por que eu não me amo?
Por que eu não aceito a vida com os desafios que tem?
Por que eu não aceito ser alguém que sabe lidar com adversidades?

A violência externa indica uma violência interna. Na verdade você não sente raiva da pessoa, mas de você.

Procure se amar mais, se respeitar mais. Isso não significa que as pessoas devem ser ou agir como você quer que sejam, mas isso vai atrair pessoas diferentes para sua vida.

Então, não se trata exatamente de raiva, mas de falta de amor.

Por outro lado, existe aquela raiva que te motiva a criar. Aquela que você pode usar para conquistar coisas, vencer desafios. É quando você fica com raiva de alguém que te menosprezou e luta para ser alguém melhor, não para provar algo, mas para não se sentir mais daquele jeito.

Veja que esse último é um caso diferente, pois você não se coloca na posição de vítima, nem mesmo almeja se vingar da outra pessoa, mas você segue um caminho que te permite criar novas possibilidades para sua vida.

Lembre-se! Converse com alguém, diga o que sente, diga que precisa conversar, desabafar. É muito importante reconhecer-se como alguém que está num caminho, num processo de aprendizado como todos. Não importa se essa pessoa é da sua família ou se é um estranho com o qual você só pediu para conversar um pouco, apenas não deixe que a raiva te torne alguém que você não quer ser.

Um abraço cósmico e até a próxima!!!

😉