Paixão como combustível

A paixão é algo que faz parte de nossas vidas. Sempre há e haverá pessoas se apaixonando o tempo todo. Mas o que é essa “paixão como combustível”?
Aquela que te move em direção ao algo bom, a algo inspirador, a notar uma coisa diferente em você, a seu redor.

A paixão no conceito que falo tem um contexto diferente no sentido de como a direciono. Mas, para entender, primeiro explico o que é a paixão pra mim.

Paixão é geralmente quando nos encantamos subitamente por alguém ou algo. Nos damos conta que sentimos algo diferente e isso pode ser gradual, porém, a percepção é como um clique. Quando a pessoa se pega totalmente hipnotizada e aí ela nota que há um forte sentimento ali.

Uma pessoa pode se apaixonar por um lugar e decidir ir morar lá, depois de alguns meses ou depois de 1 ou 2 anos, a pessoa pode concluir que não era aquilo que imaginava e ir embora. Assim como pode concluir que tomou a decisão correta e ficar por lá o resto da vida (aí, a paixão virou amor).

Note que essa paixão é a mesma e no mesmo período que ocorre com pessoas. Normalmente as pessoas se apaixonam e, num prazo máximo de 2 anos, percebem se amam ou não aquela outra pessoa (um ser, um animal também) ou coisa (pode ser um lugar, um objeto, ou até um novo hábito).

Paixão = 100% expectativa

A minha aplicação dessa paixão como combustível está em saber que paixão é o mesmo que 100% expectativa. Não sabemos se aquela pessoa ou a coisa pela qual nos apaixonamos é como pensamos ser, mas imaginamos maravilhas em determinado instante.

Veja, INSTANTE.

Ali vemos e sentimos algo muito bom e aquilo não vem da pessoa ou coisa, aquilo nasce em nós. Queremos acreditar que algo fantástico está ali ou está por vir.
Não se trata de buscar algo em alguém para se completar. Quando sentimos que a pessoa ou coisa possa vir a nos completar, isso não é paixão, é carência. Vale a ressalva que pode haver paixão e carência num relacionamento, porém, aqui o contexto é outro, ok?
A paixão, no meu ponto de vista, significa completude. Apaixonar-se é um estado temporário de completude.

Mas, o que fazer com isso? Como usar isso como um combustível?

Usando a paixão como combustível

Uma vez que a paixão é finita (aquilo vai terminar em algum momento) e a maioria das paixões termina em decepção. Por também ser ligada a uma enorme expectativa do que possa vir a ser, as expectativas podem se romper abruptamente por um gesto ou situação que gere descontentamento, desconformo, desilusão.

Para usar a paixão como combustível, eu simplesmente a canalizo.

Pego o ápice desse bom sentimento, dessa descarga de emoções que inunda o cérebro e direciono para algo positivo. Deposito isso em meu trabalho, escrevo um texto, congelo um momento com uma foto, faço uma reflexão, ajo a partir daquele estímulo.
Eu coloco a beleza do que vi na beleza de quem sou e do que faço.

Isso pode durar um momento, pode até durar dias, porém, não vou alimentar a expectativa, não vou procurar a pessoa, se for o caso, e nem me envolver com ela. Vou lembrar daquilo e realimentar o combustível me movendo na direção daquilo que quero.

Um exemplo da paixão como combustível


Certa vez, vindo da padaria, andando pela rua, era uma bela manhã de sol. Eu não enxergo muito bem de longe e estava sem óculos. Vi uma moça vindo, no sentido contrário. Pensei ser uma prima minha e me veio uma grande alegria em vê-la (ela morava perto de casa e, naqueles dias nós conversamos e ficou um clima muito positivo em nossas conversas), abri um enorme sorriso, espontâneo, natural, cativante.

A moça foi se aproximando e eu notei que não era a minha prima, eu nem conhecia aquela moça. Mas, ela correspondeu o sorriso e eu disse “Bom dia!” ainda sorrindo para ela. 
Ela também me deu um “Bom dia!” com aquele sorriso lindo no rosto e um brilho mágico no olhar. Por alguns segundos nossos olhares e sorrisos se conectaram perfeitamente e aquilo nos preencheu completamente.

Foi tão forte que até um senhor que vinha caminhando, metros atrás dela, se contagiou e sorriu também, me dando “Bom dia”.

Eu não pensei em ligar para a moça (nem pedi o telefone dela), não fiquei pensando nela, nem imaginando coisas, mas a imagem ficou gravada em minha memória e chega a me emocionar quando lembro. Isso é inspirador!

Não preciso dessa moça e nem ela de mim, foi um instante em que algo muito bonito se manifestou. Por alguns segundos nos apaixonamos e permanecemos assim. Aqueles instantes foram nosso combustível.
Quando me recordo, não é dela que lembro ou do que não tenho, mas do que me faz transbordar. É da alegria espontânea, do sorriso que vem fácil, da vontade e capacidade de fazer o frio virar calor e da chuva virar sol.

Parece meio poético, eu sei. Mas é.

Precisa ser para conseguir chegar na descrição que desperta a emoção, o sentimento enfim.

A paixão como combustível é isso. É sentir algo muito bom em contato com um SER, situação ou coisa e decidir fazer algo de bom usando aquele sentimento como força para gerar o melhor para você, em sua vida.
É canalizar e saber que não se trata da pessoa ou coisa, mas de você usar isso para o seu bem. Algumas pessoas ficarão felizes com isso e, se você entendeu bem, sua saúde agradece.😉

Se gostou compartilhe!

Comente, quero saber sua opinião. Pra você, o que é a paixão como combustível?